15 de março de 2018/POR Carol Soares

Um festival diz muito sobre sua cidade e vice-versa. São identidades compartilhadas, valores e referências que se misturam. Agora também convidamos você para viajar conosco.

Deixe um festival te emocionar, deixe uma cidade te encantar. Convidamos moradores e apaixonados por suas cidades para dividir seus olhares e experiências locais com a gente. E ainda calculamos pra você o quanto custa o rolê todo.

Boa viagem!

Miami + Ultra Music Festival

As temperaturas de Miami sobem ainda mais em março, com uma programação sem fim de festas, eventos e conferência para fãs e mercado de música eletrônica. Na última semana do mês tem Ultra Music Festival, Winter Music Conference e Miami Music Week. Sem falar que se chegar um pouquinho antes, ainda tem fervo para o público LGBTQ, com o Winter Party Festival no início do mês. Nós aqui já batemos carteirinha dois anos seguidos no Ultra Music Festival. Veja aqui o review da última edição.

Aproveite que Miami ferve em março, são poucas horas de vôo e ainda dá pra fazer um roteiro  de arte e claro, compras por lá. Ta esperando o quê?

Quem nos apresenta a cidade é o Silvio Maranhão, que é Brand Enhancement Manager do Winter Party Festival. Sua primeira vez em Miami foi como voluntário do evento e há sete anos que aproveita a janela de datas pré ou pós festival para estudar (ano passado foi ao SXSW e esse ano vai fazer um curso de Photo/Video na Miami Ad School) e curtir a cidade. É apaixonado pelos restaurantes, bares e boates de Miami, principalmente os locais do seu bairro favorito: Wynwood.

Nessas idas e vindas, sempre dedica dois ou mais dias para ir lá para fotografar, comer, dançar, beber, bater perna… Entre Rio e Miami lá se vão  12 anos de experiência em marketing, atendimento, produção de entretenimento, relações públicas e jornalismo. Hoje é Relationship Manager da UP Line e também é idealizador, produtor e dançarino (rysos!) das labels: DUO (evento dominical que fez história de mais de 10 anos no 00), Réveillon Cheers e beachbeat.

Neste post você encontrará (você pode ler inteiro ou clicar apenas nos links do seu interesse):

Por que ir?
Como ir?
Onde ficar?
Enquanto o festival não chega
Para comer e beber
Imperdível
E o festival?
Quanto custa?

Por que ir?

Sabia que o Ultra Music é o festival fora do Brasil mais frequentado pelos leitores do Projeto Pulso? Miami é logo ali, tem aquele clima de praia e ferveção que o brasileiro conhece ~ e gosta, dá pra fazer umas comprinhas, praticar o portunhol e curtir alguns dos eventos de música eletrônica mais bacanas do mundo. Pra lá dos clichês e das compras, Miami tem se reinventado na última década como importante pólo de arte e cultura contemporânea. Um dos roteiros mais baratos para curtir a experiência de um festival na gringa. Pode confiar, a experiência vale super a pena 😉

Foto: Rutger Geerling (Flirck)

Como ir?

Várias companhias voam direto de diversas capitais do Brasil. Além do aeroporto de Miami, há também vôos frequentes (e com preços bem atrativos) para Fort Lauderdale, cidade a cerca de 40km do centro de Miami. De lá, é só pegar um Uber, transfer ou até mesmo um trem para Miami. Dependendo de onde você for ficar, também rola entrar no American way of life  e já sair do aeroporto dirigindo um carro alugado.

As minhas dicas de Miami começam no aeroporto, né? Fazem 7 anos consecutivos que eu chego aqui e o Wi-Fi do aeroporto bomba e nunca me deixou na mão. Super importante para pedir um taxi, avisar a família que chegou bem, dar aquele check na vida digital, etc. E dessa vez o amigo que ia me buscar atrasou e eu fui procurar um lugar só pra sentar um pouco e – SURPRESA MARAVILHOSA! – uma salinha SUPER ~good vibes~ para meditar/fazer yoga. A dica fica mais para o vôo da volta, né? Quando a gente tem mais tempo pra fazer esse tipo de coisa. Um amigo me contou que também tem uma salinha dessa para pets que ele sempre. Chique! Bom, vamos lá: Partiu desbravar esse mix de cafona e cool que eu amo chamada Miami!

Yoga no Aeroporto de Miami. Temos!

Onde ficar?

O Ultra Music Festival acontece no Bayfront Park, que fica em Downtown. A melhor opção é ficar hospedadx no continente, para que você não tenha que enfrentar horas de trânsito para sair e entrar em South Beach. Em Downtown tem um trenzinho que te leva de graça até a porta do festival. A cidade fica beeeem cheia nessa época e os preços ficam bem salgados no final de semana do Ultra. Antecedência é a palavra chave. Mas se for ficar vários dias, vale dividir a estadia com South Beach.

Enquanto o festival não chega

Se você curte arte e design, um passeio pelo Design District é obrigatório. A região foi renovada e resignificada, sendo hoje repleta de galerias de artes, escritórios de arquitetura, lojas de decoração, design e moda e vários restaurantes bacanas. Tá certo que não dá pra ir a Miami sem pisar em pelo menos um shopping center, e o Brickell City Center é “o” shopping center.

Miami tem cores mágicas no final da tarde e vale a parada para assistir ao pôr do sol na Key Biscayne ou  no South Point. E depois partir para um drink no Rooftop do 1111 na Lincoln Road.

– iH, Silvio. Mas cadê as praias? Miami não é negócio de praia?

– SIM!!! VAMOS LÁ!!!

Falando de South Beach, as praias mais legais são na frente das ruas 3, 12 e 17. Não me perguntem o porque. Me falaram e eu acredito. Confesso que não acho a praia nada demais – é linda, foda, etc – mas rola uma função porque tem que levar tudo, né? – cadeira/guarda-sol/canga/comida/bebida – A não ser que você esteja hospedado nos hotéis da Collins Ave, assim rola ficar nas espreguiçadeiras do seu hotel sendo muito bem servidx. Dica-truque: Diz-que o Hotel Nautilus deixa usar as deles. Mas mesmo sem cadeira não dá pra perder, né? Minha dica de praia: Se for pra fazer essa função completa, pega logo o carro/ônibus/taxi e parte pra North Beach para Haulover Beach. A praia de nudismo é ótima! E não se preocupa se você não quiser ficar peladx, super rola frequentar vestidx. 🙂

Quer praia maneira MESMO? Pega o carro e vai pra uma road trip pelas duas costas da Florida. Keys/Naples/St. Pete/Pass A Grille/etc. – Mas isso é papo pra outro post!

Ah, dica de bike também em SoBe! Dar uma volta por em direção ao South Pointe Park. Em SoBe rola alugar aquelas bikes do Citibank, tipo as do Itaú no Brasil.

Sobre compras, não sou muito chegado, mas costumo resolver quase todas as minhas pendengas na Lincoln Road. Ainda mais agora, que tem abriu ROSS (Dress For Less!), local oficial para compra de minhas meias, cuecas, cintos e malas. Hahaha! Situada no coração de South Beach, Lincoln Road é uma rua pedestre charmosa e exclusiva, com numerosas lojas, cafés e restaurantes e galerias de arte. Perto da praia, Lincoln Road garante um passeio muito agradável nos dias ensolarados de Miami, encontrando bons negócios nos brechós e lojas vintage. O Aventura Mall tem mais de 300 lojas e duas lojas de departamento (Nordstrom e Macy’s).Para os verdadeiros loucos por compras, vale a pena fazer o trajeto de 60 km entre Miami e Sawgrass Mills, o maior outlet da Flórida.

Para um fervo gay, a praia é em frente ao The Palace. Divertido pra tomar drink e curtir as performances. O Gaythering é um hostel bem legalzinho, e ótimo programa para drinks na sexta. O Twist funciona todas as noites e é de graça. Tem vários ambientes e é bem engraçado. Vale a pena! Tem ainda o Molto, que é um bar/restaurante com programação eclética e a Score, a boate mais tradicional da cidade.

Para a turma das good vibes: eu conheci o Warrior Flow, um empreendedor/criador de comunidade que dá aulas de Yoga pela cidade em espaços abertos. Vale muito a pena acompanhar e ver se rola conciliar uma aula. É sempre em um lugar especial e funciona para todos os levels de prática.

Foto: Warrior Flow

Pra comer e beber

Comece o dia com o brunch do IceBox. A Five Guys é uma hamburgueria trash barata, mas vá só se for carnívoro ~ o hamburger vegetariano é péssimo. Um clássico é a lanchonete Shake Shack da Lincoln Road, e o hamburger vegetariano é boooooom! A Cvi.Che 105 é uma cevicheria delícia em Miami Beach. E ainda tem o Dirt, em Brickell. O restaurante Juvia fica no rooftop, na Lincoln Road, com vista de South Beach. A boa é ir de dia, pois os preços do almoço são mais baratos que à noite.  E também a vista de dia é mais bonita durante o dia.

Esse é o Dirt, em Brickell

Imperdível

Começando pelo meu lugar favorito na cidade – posso até arriscar dizer que do mundo! – WynwoodPra quem não conhece: É o bairro/distrito de arte da cidade com diversas galerias, restaurantes, lojas, bares, boates, events, etc. Imperdível passar um dia quase inteiro lá.

Se fosse pra descrever um dia perfeito lá, seria assim: Chegar pós almoço (perto do final de semana é mais agitado!), alugar uma bike pra andar pelas ruas (Indico a loja Superior que tem bikes ótimas e lindas pra combinar com as fotos que você vai querer tirar, preço justo [8-12 Trumps por hora] e staff super atencioso!). A loja fica na rua principal, que é a NW 2 Ave. Ela é a mais movimentada, mas pega o mapa na Superior que tem muita coisa escondida pelo bairro.

Caça no entorno os grandes paredões grafitados, entre nas lojas e galerias, toma um café no Panthers, que é um Starbucks hipster, e o local é bom pra relaxar, descansar, deixar a cafeína bater e voltar pro rolê. Logo depois, drinks (devolve a bike primeiro – don’t drink and drive!) e coma os tapas no incrível Wynwood Kitchen ou no R House. Na sequência, sem deixar bater a lombeira pós refeição, já vai pro Woods, que é o primeiro bar/club do local. É de graça, rola pistinha, drinks e comidinha também, só não entra se for menor ou sem identidade. Fica ligadx com o horário porque se chegar tarde pode ficar uma fila imensa e pode ser que não dê mais para entrar. Vale também procurar a programação do Wynwood Yard e do The Wynwood MarketPlace. Sempre tem coisa legal acontecendo: música ao vivo, DJs, comida de tudo que é tipo e com o preço bom, lojinhas, etc.

E o festival?

Miami é a casa da maior franquia de festivais de música eletrônica da atualidade. O festival acontece no Bayfront Park, um oásis no meio dos arranha céus de Downtown, com o mar azul no fundo e aquele céu pink flamingo que só Miami tem. Ah, a música, sim… Se você é fã de música eletrônica não vai se decepcionar. O Ultra ficou famoso pelas experiência imersiva dos palcos ultra high tech, com muita luz, efeitos e um soundsystem poderoso. Você pode até gostar de sons mais alternativos, mas não vai controlar o woooow quando estiver frente a frente com o mainstage do festival.

Pra lá da música, a galera assume o clima de “Spring Break”, as férias escolares americanas de primavera, mesmo período que acontece o festival. Muita gente à vontade (leia-se biquinis e roupas de praia), fantasias à la raves dos anos 90 e um clima bem descontraído.

Quanto custa?

Great Escape é nossa parceira de viagens e festivais. Veja a simulação de um pacote básico de 7 noites para Miami. Se quiser uma cotação detalhada e saindo de outras cidades, fale com a claudia@greatescape.com.br

  • Passagens SP – Miami / Miami SP: R$ 1.726,54
  • Hospedagem – R$ 2.012,45 (valor por pessoa em quarto duplo – esses valores são referentes a reservas feitas com antecedência. Nas proximidades do evento essas opções não estão disponíveis e os valores são bem mais elevados).
  • Ingresso Ultra Music – R$ 1.025,83 (valores de 2018)

Total: R$ 4.764,82

Veja a cotação detalhada aqui