Estudo mostra que a maioria dos fãs de música acha que marcas podem melhorar a experiência de shows e festivais


Assine a Cápsula, nossa newsletter para mentes inquietas em busca de inspiração

Compartilhe esse artigo

Um nova pesquisa conduzida pela Live Nation mostrou que os eventos de música ao vivo continuam sendo um dos melhores lugares para as marcas se conectarem com o público. De acordo com o estudo feito com 22.500 pessoas entre 13 e 49 anos em 11 países, cerca de 90% dos fãs de música acreditam que as marcas têm o poder de melhorar a experiência de um show ou festival.

Outros dados também ajudam a dar uma visão sobre o relacionamento do público com marcas em eventos de música: aproximadamente 78% dos participantes da pesquisa disseram sentir que os eventos ao vivo são experiências altamente emocionais (mais do que ouvir música em casa, participar de eventos esportivos ou jogar videogames). E quando as pessoas estão sentindo essas emoções, elas são 67% mais receptivas a novas ideias.

63% dos entrevistados disseram que são mais propensos a se conectar com marcas em eventos, 66% são mais propensos a fazer compras, e 68% disseram se sentir mais conectados às compras que fazem em eventos assim.

Vale ressaltar que a Live Nation realizou uma outra experiência neste ano, durante um show da cantora St. Vincent, e que comprova a relação entre a felicidade e as emoções durante apresentações ao vivo.

Com esses estudos combinados, a empresa mostra que as marcas têm uma grande oportunidade de aproveitar a intensidade emocional gerada por shows e festivais, e se engajar com o público aproveitando “o poder da música ao vivo”.

Foto: Divulgação

Como as marcas podem aproveitar shows e festivais para se conectar com o público

Ainda de acordo com a Live Nation, as marcas precisam ser relevantes dentro daquele nicho, pois os fãs podem enxergar o “oportunismo” quando uma marca tenta se engajar com um público que não é o dela. Em segundo lugar, as marcas precisam “ser a mudança” e fornecer um algo que os fãs possam defender como uma causa ou movimento, e que seja importante tanto para a marca quanto para o participante do show.

As marcas também precisam tornar a experiência mutuamente benéfica. Obviamente, as empresas querem se envolver com os fãs e convencê-los a comprar produtos naquele dia ou no futuro, mas também deve haver algo para os fãs além disso, em ações que procuram, por exemplo, solucionar problemas comuns aos festivais, como a distribuição de água ou o oferecimento de carregadores de telefone gratuitos.

Itaú o Rock in Rio 2017 – Divulgação

Por fim, as marcas precisam criar uma experiência que seja digna de ser compartilhada nas mídias sociais, já que o público que frequente esses eventos é altamente adepto das redes sociais como forma de “review” do que encontram pelo evento.

Para a Live Nation, essas dicas devem ser utilizadas por qualquer marca, até mesmo as já estabelecidas no mercado, mantendo sempre o investimento na cultura acima de sua exploração.

Assine a Cápsula, nossa newsletter para mentes inquietas em busca de inspiração

Cinco anos de pesquisa e conteúdo sobre a cultura dos festivais.

@ØCLB / Pulso 2020. Todos os direitos reservados