A evolução das lives do Vintage Culture


Assine a Cápsula, nossa newsletter para mentes inquietas em busca de inspiração

Compartilhe esse artigo

As lives do Vintage Culture durante a pandemia são um ótimo estudo de caso para quem é fã de música eletrônica e tem interesse trabalhar na área.

E se você quiser conhecer um pouco mais sobre esse case de sucesso, participe do ØCLB de Pijamas de terça (05/05), com Guga Trevisani e Marcelo Madueño, da Entourage (inscreva-se aqui).

No dia 18 de março, Lukas Ruiz (aka Vintage Culture) iniciou sem projeto “digital week live sessions”, onde faz live streamings tocando, às vezes com alguns convidados também. As lives são transmitidas no Facebook Instagram e Youtube, ficando salvas em seu canal na playlist “digital week”

A evolução das lives do Vintage Culture

18/03 – Primeira live, feita com participação do DJ e amigo Matheus Meca. A live aconteceu na parte externa da casa de Lukas.

Datas das lives em formatos de episódios

19/03 – A segunda live aconteceu na sala, dessa vez na parte interna da casa, Lukas fez um set de 2horas.

a locação ajuda, né?

20/03 – Também com participação de Meca, a terceira live foi em um local com vista para a piscina, tendo a duração de 2 horas também.

21/03 – A quarta live aconteceu no mesmo local da terceira, mas dessa vez sob a luz do dia, tendo como duração quase 4 horas.

22/03 – O set de gravação da quinta live foi montado no gramado próximo a piscina e se estendeu por 2:30 horas. A sexta live foi um set gravado no club Anzu.

25/03 – A sétima live assemelhou-se muito com a segunda, mas dessa vez patrocinada pela marca de vodka Ministry.

26/03 – No oitavo episódio da série, patrocinado pela marca de gin Mozaiki, a cozinha se transformou em cenário, misturando música e comida. Não tem como ficar ruim, não é mesmo?

Merchan do gin aí

27/03 – O nono episódio foi uma loucura! Vintage tem como palco o banheiro da própria casa, e toca com uma das cdjs apoiada na pia. O set tem duração de mais ou menos 3 horas e meia.

Vintage se vira até no Banheiro

28/03 – O palco dessa vez é a mesa de bilhar, na sala de jogos. Vintage faz um set de 10 horas, o maior até agora.

31/03 – Em seguida, Vintage participa da live da Tomorrowland que contou com um line up de peso (Lost Frequencies, Afrojack e Dimitri Vegas).

29/03 – O 11º episódio é quando se inicia a série Bailão Eletrônico, onde são tocadas músicas antigas e clássicos da dance music. Um ponto interessante para reparar é que eles tocaram sentados. Estranho ver um DJ tocar sentado, né?

03/04 – Vintage inica a live 12 tocando a música que lançou no dia, “Slow Down”, feita em parceria com Slow Motion. Nessa mesma live, começa a aparição dos QR codes com intuito da arrecadação de doações.

04/04 – Vintage se instala em seu “cantinho” e as lives passam a ser todas no mesmo lugar. A live 13 dura 4 horas e 40 minutos.

05/04 – O décimo quarto episódio é mais um da série bailão eletrônico e conta com a participação de Meca.

(Os eps 15 e 16 não estão disponíveis no youtube)

21/04 – acontece a live 17, um “afternoon set”, e conta com uma mudança no fundo do cenário.

Outro vídeo que não está disponível, ainda, é a live em que Lukas se propôs a fazer um set de 25h. No youtube há um vídeo de 19 horas, mas não temos acesso.

O que podemos aprender?

As lives tem em média 2 horas de duração, contendo o melhor do que o produtor e DJ pode proporcionar.

Cada dia a live é feita em um local diferente da casa de Lukas, proporcionando ao espectador não mais da mesmice que as lives transmitem.

Os cenários são incríveis, misturando elementos vintage com futuristas, harmonizando perfeitamente com o clima das músicas tocadas

Vintage tocou em episódios da digital week duas músicas antigas, o famoso flashback, dando a esses episódios o nome de “bailão eletrônico”, e as lives eram mais extensas, com uma média de 4 a 5 horas.

A produção das lives aproveitou-as para fazer uma propaganda da música lançamento “slow down” deixando para o público um QR code na tela o qual direcionava para o Beatport, onde a pessoa conseguiria comprar a música. Ao comprar a música, o comprador envia o comprovante por email com seu @ do Instagram, tendo a oportunidade de ser divulgado na live.

Outro momento chave da live foi onde por meio de um QR code a pessoa entrava em uma sala do Zoom, onde poderia ser sorteado para aparecer ali ao vivo para todos os espectadores.

Vintage inovou tentando fazer uma live de 25 horas ininterruptas, no Youtube e Instagram. A live foi cortada por conta de falhas técnicas com o equipamento.

Durante a live stream, aparecia em alguns momentos um QR code para doação de dinheiro o qual foi enviado para institutos que precisam dessa ajuda, uma atitude bacana por parte da equipe, no Instagram postaram um vídeo mostrando os itens doados.

Segue o baile, Vintage!

Assine a Cápsula, nossa newsletter para mentes inquietas em busca de inspiração

Cinco anos de pesquisa e conteúdo sobre a cultura dos festivais.

@ØCLB / Pulso 2020. Todos os direitos reservados