Criatividade e Tecnologia com Tempero Mineiro: Review Hack Town 2016 - Pulso

Criatividade e Tecnologia com Tempero Mineiro: Review Hack Town 2016

No último final de semana estivemos no Hacktown, um festival de inovação, criatividade e tecnologia que contou com mais de 100 painéis, workshops, shows e palestras – entre elas a nossa. 🙂

HackTown

Projeto Pulso no Hack Town

Foi uma experiência singular e que pretendemos repetir nos próximos anos. Menos por uma ou outra caraterística individual do evento. Mais pelo “conjunto da obra”, que compreende uma química perfeita entre a cidade, as pessoas e os locais onde as atividades do festival acontecem.

Para entender o Hacktown, é preciso antes conhecer a história de Santa Rita do Sapucaí, uma pacata e charmosa cidade de pouco mais de 40 mil habitantes no interior de Minas.

14249689_1779891262225288_6589866344644227128_o

14207707_1779897038891377_6832581370926313993_o

14207639_1779902512224163_3867554213582302264_o

Santa Rita do Sapucaí

Uma Cidade Abençoada Por Duas Padroeiras

Conhecida como “Vale da Eletrônica”, Santa Rita ganhou este apelido graças aos centros educacionais e empresas dessa área situadas na cidade, como o Instituto Nacional de Telecomunicações (INATEL), onde rolaram as palestras de abertura do festival.

14188662_1779891328891948_1724016836709136207_o

Abertura do Hack Town no anfiteatro da INATEL

Se por um lado a cidade leve o nome da santa das causas impossíveis, dos doentes e das mães, por outro basta perguntar a qualquer nativo sobre quem foi Sinhá Moreira para escutar um relato de admiração beirando a devoção.

Não é pra menos.

Sobrinha do presidente Delfim Moreira, Sinhá foi uma mulher a frente do seu tempo. Filha de fazendeiros e casada com diplomata, teve a sorte de viajar pelo mundo nos anos 30, algo muito raro para a época.

13 - Luzia Rennó Moreira (Sinhá Moreira ) - México 07-08-1930 - 1(13)

Sinhá Moreira nos anos 30

Reza a lenda – uma cidade de Minas sem lendas não vale a pena conhecer – que em uma destas viagens, no Japão, ela conheceu Einstein, que a apresentou a eletrônica como a ciência do futuro. De volta à Santa Rita, Sinhá foi a principal empreendedora, investidora e defensora para que a cidade se tornasse uma referência na área.

Hoje, além do INATEL, a cidade abriga a FAI – Centro de Ensino Superior em Gestão, Tecnologia e Educação e a Escola Técnica de Eletrônica (fundada por Sinhá Moreira), além de diversas iniciativas de fomento e estímulo à inovação e tecnologia, como o próprio Hacktown.

Hacktown Não é o SXSW…E Nem Deveria Ser

O Hacktown possui um formato descentralizado e espalhados pela cidade, sendo o SXSW a principal inspiração de seus organizadores (leia aqui: SXSW e o Espírito do Tempo)

Muitas das atividades acontecem simultaneamente em locais no mínimo pitorescos, que você só encontra numa cidade do interior de Minas como bares, restaurantes, escolas municipais, centros comunitários etc. Os shows e uma feirinha de comida rolavam na praça central de Santa Rita, que também abriga um charmoso coreto, bancos e jardins além de – é claro – a igreja da cidade.

Não tem como descrever o que é no meio de uma palestra você escutar o apito do trenzinho circulando pela cidade ou uma briga de gatos no telhado de uma das salas. Ou sentar depois de muitos anos numa cadeira escolar, com um lanchinho de frutas cedido pela organização (que vibe!), para escutar um debate sobre como hackear a educação.


14196118_1779967638884317_7148632638322633580_o

14195904_1779966345551113_1574696222660009614_o

14137969_1779912595556488_654629097002165019_o

14195379_1779904905557257_7779508008835223019_o

Cada palestra um local e uma experiência diferente!

Muito mais que o conteúdo das palestras foram estas as experiências que nos conquistaram, além – é claro – dos encontros inusitados com amigos e profissionais que admiramos fora do dia-a-dia e da pressão da cidade grande.

“De uma maneira geral, na contramão do SXSW, o que mais curtimos foi o clima intimista, sem pressa e não invadido por grandes marcas ou “big names” (ainda) que aquela  peculiar cidade de pessoas gentis e acolhedoras nos proporcionou.”

14196071_1779902932224121_6577416647154094596_o

14241630_1780282048852876_7795071471557741423_o

14257699_1779906625557085_6095840041077540437_o

14232452_1779898468891234_7143220440736408576_n

14196050_1779968385550909_5010178066325812172_o

14207663_1779900062224408_3944194341100380444_o

14231864_1779902308890850_2227334637167444002_o

14195213_1779892735558474_8775576049252229549_o

Comida (incluindo insetos!!!), arte e música nas ruas de Santa Rita do Sapucaí

Reflexões Para o Futuro

Embora assumidamente inspirados pelo SXSW, o Hacktown pode e tem potencial para ser um festival muito mais interessante que o festival texano.

Primeiro, por ser Brasileiro. É foda viajar pra fora, conhecer um monte de gente interessante e escutar um monte de novidade vinda dos quatro cantos do mundo. Mais foda ainda é poder viver tudo isso sem sair do país (quem esteve no Rio durante os Jogos Olímpicos sabe do que estou falando).

Segundo, pela cidade. Durante uma das palestras que assisti em uma das edições do Rio Music Conference, escutei uma teoria do “prefeito da noite” de Amsterdam (um cargo que a cidade criou para o profissional que faz a interface entre os interesses públicos e privados do setor de entretenimento da cidade). Segundo ele, eventos como o SXSW (Austin, Texas), C/oPop (Colônia, Alemanha) e o ADE (Amsterdam, Holanda) são grandes sucessos porque acontecem em cidades de pequeno e médio porte. Diferente de grandes capitais como São Paulo ou Rio, que invariavelmente oferecem muitas atividades e cujos interesses políticos são disputados por grupos divergentes, locais como Austin, Colônia e Amsterdam conseguem “abraçar” integralmente o evento, entendendo como eles são importantes para o turismo e desenvolvimento econômico local (o mesmo acontece em Parati com a FLIP ou em Barcelona com o Sónar e Primavera – Leia Aqui Como Ocupar Uma Cidade com Um Festival).

14241436_1779902368890844_3556555077530406203_o

14231995_1779901415557606_4615822708028636666_o

14206059_1779896465558101_6645998466888454162_o

14249786_1779889662225448_8668665587226230944_o

14188152_1779890055558742_6926734988103840859_o

14195458_1779890695558678_2060461936480383290_o

14249913_1779891762225238_6504037711438951043_o

Por fim, porque tudo ainda está começando. E aqui observamos o principal desafio do festival: como crescer sem perder sua essência? Como manter o clima de cidade pequena sem uma invasão de ativações de marcas grandes e ativações milionárias? Como continuar atraindo pessoas interessantes, makers e estudantes, mantendo os preços justos e sem o efeito inflacionário que acontece hoje em Austin, cujo aluguel de um apartamento durante o SXSW no Airbnb chega a ficar 5 vezes mais caro que em períodos fora do festival? Perguntas nada simples de responder…

**

Saímos encantados, com vontade de voltar para Santa Rita do Sapucaí no próximo ano. Agradecemos o convite, atenção e carinho da organização e produção do evento, em especial ao Carlos Vilella e Ralph Peticov, sócios do festival.

Que venham suas próximas edições. Longa vida ao Hacktown!

Posts Relacionados