6 de dezembro de 2018/POR Thiago Burgos

Para quem não conhece o estado do Rio de Janeiro, Itaipava fica na região serrana, perto de Petrópolis (mais ou menos uma hora de carro), e na última semana a cidade foi invadida pelo festival Rock the Mountain!

Produzido em parceria pela Blackhaus e Vibra Marketing, o festival finca os dois pés de vez no circuito de eventos imperdíveis no Rio de Janeiro e eu conto os motivos.

De acordo com os próprios idealizadores, a proposta é simples: promover uma experiência única com muito astral para um público especial, na charmosa serra carioca! O lineup é repleto de referências e novidades de grandes festivais nacionais e gringos. O serviço de extrema qualidade e conforto tornam o festival ainda mais incrível.

A primeira experiência já acontece na chegada!

Foto: Thiago Burgos

Antes de comentar do lineup como um todo, é preciso falar da decisão mega acertada de abrirem o festival com um mini cortejo do Amigos da Onça. Na chegada, um dos blocos mais queridos do Carnaval carioca já recebia o público de braços abertos e te fazendo sentir aquele cheiro de folia (que só a título de informação, ESTÁ CHEGANDO).

O show foi literalmente na entrada do evento. Proporcionando uma experiência única!

Lineup para todos os gostos

Foto: Thiago Burgos

Com quatro palcos, mesmo com o cancelamento do Kakkmaddafakka, a escalação musical estava bem eclética!

No Main Stage e Outdoor Stage rolaram Planet Hemp (nem a chuva atrapalhou o som pesado. A banda está mais viva do que nunca!), Liniker e os Caramelows (como sempre, impecáveis), 3030, Azymuth (boa surpresa), Rubel, Kid Le Chat e, claro, a atual queridinha dos festivais: BaianaSystem (bom, essa dispensa comentários).
As festas Arca de Noé e Minha Luz é de LED encerraram os trabalhos dos palcos principais.

O palco Magic Disco tinha nomes fortíssimos do circuito eletrônico como Selvagem, Transpira, RARA DJs, Gop Tun, Manie Gang (uma pena ter sido tão cedo) e fechando, Technobrass!

Ainda rolou o Village Stage com vários DJ’s conhecidos da noite carioca!

Ativações nas alturas

Foto: I Hate Flash

As marcas têm apostado muito nas experiências e no Rock the Mountain não foi diferente. Estavam presentes: Absolut (com uma ativação cenográfica e interativa, bem legal que renderam boas fotos), Budweiser que apostou num balão para que o público subisse e olhasse o festival do alto, mas infelizmente o tempo não colaborou e por isso a ativação por muitas vezes teve que ser fechada, o que foi uma pena porque a ideia era foi foda!

Outra ativação irada foi a loja que a Redley montou. Espaço super concorrido que contava com produtos do festival, além de tênis e mochilas. Local ainda tinha espaço para você personalizar sua camisa e jogar um totó! Parada obrigatória durante as andanças no festival!

Foto: divulgação

Agora quem puxou os holofotes para si foi a Rappi que apostou alto e colocou um Bungee Jump no festival e a procura foi enorme. Além disso, eles entregaram bonés nas cores da empresa proporcionando assim em um dado momento, um mar laranja fluorescente. Ponto pra eles!

Outra ativação que eu estava mega curioso para ver era a obra “One” da Stephanie Sartori. Ela foi a primeira artista brasileira no Festival Burning Man (USA). O tempo não colaborou muito, mas a obra em si é bem legal e a parada entre os participantes era quase que obrigatória.

Foto: Thiago Burgos

Resumindo

Mesmo com a chuva, que em muitos momentos veio forte (principalmente na hora do Planet Hemp), o que dificulta a visibilidade para pessoas como eu (míopes de grau alto rs) e traz certo desconforto, o Rock the Mountain entregou com louvor o que prometeu! Valeu a pena encarar a estrada, subir a serra, se molhar e assistir ótimos shows.

Ah, uma dica final: se puder, tire o final de semana todo para conhecer Itaipava e Petrópolis! Vale muito a pena.

Em 2019, teremos mais!