29 de janeiro de 2018/POR Ana Luiza Cavalcante

Como já é tradição desde 2014, o Festival Planeta Brasil aconteceu na Esplanada do Mineirão, sob um calor de quase 35 graus na tarde do último sábado, em BH. O festival recebeu 25.000 pessoas que durante 12 horas curtiram diferentes estilos musicais em 5 palcos.

Foto: Bruno Soares

No Palco Sul, o destaque foi para a banda 1Kilo, que com seu rap melódico puxou o público desde cedo. Foram destaques ainda os rappers do Oriente, a cantora Iza, a dupla Anavitória e o showzasso do Criolo com Mano Brown, que fechou o palco com chave de ouro.

No Palco Norte, a banda australiana The Beautiful Girls adiantou a chegada para o público que esperava seu retorno à cidade depois de um hiato de 5 anos sem se apresentar por aqui. Com seu som surf music good vibes, a banda conquistou muita gente e quando os caras do SOJA entraram no palco, um mar de gente já era avistado.

Foto: Bruno Soares

Com seu último show na capital, a banda de rock nacional O Rappa não deixou por menos e levou o público à loucura com seus clássicos.

Na hora que os franceses do Phoenix entraram em ação, o público se dividiu para conferir um pouco do show de Gabriel, O Pensador e garantir espaço para o show do Criolo no Palco Sul. Mas isso não deixou a euforia e animação do Phoenix de lado, que fez um super show tocando desde “Liztomania” até as faixas mais recente do seu último álbum, “Ti Amo”.

Foto: Bruno Soares

O palco Locals Only recebeu artistas da cena independente de BH e algumas figurinhas carimbadas como Lagum, Gabriel Elias e Graveola, que fizeram bonito e representaram muito bem a cena!

Foto: Bruno Soares

O grande destaque do festival foi, sem dúvida, o palco How Deep, que desde a última edição em 2017 recebeu grandes DJs e ganhou maior espaço nesse ano, contando até com brinquedos de diversão.

Foto: Curol Ribeiro

Entre as atrações que chamaram a atenção ali estão o mineiro KVSH, que emplacou dois hits no ano passado –“Sede Pra Te Ver” e “Eu Não Valho Nada” – e ontem lançou um remix oficial da música “Dia Melhores” do Jota Quest. A história do produtor e DJ junto ao festival é bem legal: ele já trabalhou no Planeta Brasil antes de se tornar DJ e tem um respeito e carinho enormes pela oportunidade de se apresentar pelo segundo ano seguido no palco How Deep.

A música eletrônica é um estilo que cresceu tanto no Planeta Brasil que quem encerrou o Palco Norte foi o fenômeno Vintage Culture.

Foto: Bruno Soares

A festa ainda se estendeu com um after até às duas da manhã para quem estava no camarote do festival.

Foto: Bruno Soares

Espaço e ações no Festival Planet Brasil

Era nítido que esse ano a presença das marcas patrocinadoras estavam mais discretas que no ano passado. A Skol, patrocinadora oficial, possui ativações na transição do palco Norte para o Sul. Já o 99 Pop criou um espaço de convivência bem grande e um estacionamento especial para quem utilizasse o serviço do aplicativo para ir ao festival, com isso você ganhava um copo personalizado da marca.

A Burn foi a novidade desse ano, que com a distribuição de copos neon e uma ativação de led no camarote,se mostrou forte e pode investir mais no próximo ano.

O acesso aos banheiros estava tranquilo. Sabemos que banheiro químico é complicado mas é com o que podemos contar. Já o acesso aos bares, pelo menos no camarote, estava um pouco complicado em alguns momentos, mas com um pouco de paciência, você conseguia beber tranquilamente.

Para quem não conhece o festival, vale a pena conferir a próxima edição. O Planeta Brasil existe desde 2009 e vê-lo crescer desde a primeira edição, e até mesmo ter feito parte da equipe em 2014, é realmente gratificante, tanto para BH quanto para quem faz o festival acontecer.

Que venha o Planeta Brasil 2019!