11 de julho de 2019/POR Marina Brito

Sempre sonhei em conhecer um festival internacional. Desde que meu interesse por música começou a ganhar mais espaço no cotidiano eu acompanhava eventos famosos como Glastonbury, Coachella, Tomorrowland, entre outros. Eu imaginava como seria vivenciar um evento como aquele. Será que realmente é tudo isso? Os locais são calorosos para turistas? A estrutura é mais moderna que no Brasil? E a presença dos patrocinadores?

Hoje posso dizer que realizei esse sonho e, sem dúvida, foi o primeiro de muitos que ainda estão por vir! Obrigada, Festival Awakenings 2019! Deixei Amsterdam de alma lavada, com o astral lá em cima, muito conhecimento e várias histórias pra contar.

Sobre o Festival Awakenings

Para aqueles que não conhecem, o Awakenings é um festival outdoor holandês que completa 20 anos em sua próxima edição, em 2020. Visto como um dos maiores e mais consagrados festivais de techno da Europa e do mundo, o evento acontece em Spaarnwoude, também palco de outros eventos da região, fica a aproximadamente 30km do centro de Amsterdam.

Conhecido por ter palcos extravagantes e sempre line-ups consistentes com grandes nomes do techno e suas vertentes, o chamado “two day festival” recebe 80 mil pessoas por dia e mais de 100 DJs para todos os gostos..

A logística do Festival Awakenings 2019

Estávamos em um grupo grande de amigas e montamos o roteiro da eurotrip ao redor do tão esperado final de semana do dia 29 e 30 de junho.

Existem algumas formas de chegar da área mais popular de Amsterdam até o local. Como um shuttle que sai da estação central ou um outro shuttle oficial do evento que é vendido junto ao ingresso e tem alguns horários e pontos de saída espalhados pela cidade.

Nós optamos pela última opção mesmo sendo mais cara, já que tivemos a impressão de ser algo mais certeiro. Porém, fomos surpreendidas ao chegar no nosso ponto de saída. A logística de vans, que na verdade era de ônibus comuns da cidade, era uma bagunça! Havia uma fila enorme e os horários estavam todos atrasados cerca de 50 minutos. Nesse momento já entendemos que chegaríamos cerca de 1h mais tarde do que gostaríamos e programamos nosso timetable. 🙁 Tentamos falar com a garota responsável pelo nosso ponto e ela não tinha a informação correta do horário que realmente sairia o ônibus. Então ficamos la pouco mais de 1h aguardando.

Ao entrar no ônibus, não havia lugares suficientes para as pessoas sentarem e o trajeto demorava cerca de 40 minutos. Foi bastante desconfortável até chegarmos ao festival. Claramente a produção pecou nessa parte do evento. Afinal, aos olhos do público a experiência começa ali e o preço também traz uma dose de frustração

O drop off de todos os meios de transporte era uma caminhadinha até a portão de entrada mas nada que seja incômodo com uma boa companhia e a paisagem local.

A chegada no Festival Awakenings 2019

Ao encontrar o portão de entrada do evento, todas as experiências negativas foram esquecidas…A expectativa era muito alta, daquelas difíceis de serem superadas. Mas, foram. Que festão! Welcome to Awakenings!

O portão era bem organizado com todas as etapas até realmente estarmos dentro do local. A conferência de ingresso era feita pelo QR Code presente no ingresso. Em seguida já colocávamos uma pulseirinha com uma máquina que parecia economizar ao máximo a fita afim de nao desperdiçá-la. Diferente do que estamos acompanhando no Brasil, não era cashless. Outro ponto curioso da entrada é que não existe distinção entre homens e mulheres para revista. Qualquer pessoa pode te revistar e para nós que não estávamos acostumadas foi bem estranho.

Como foi a experiência

Palcos Festival Awakenings 2019

Foi amor a primeira vista… o festival é realmente incrível! A venue é perfeita para festivais com muito espaço, bastante verde e terreno plano.

Os 8 palcos são bem espalhados, sem interferência de som e ao mesmo tempo próximos o suficiente para que você possa andar de um para o outro sem perder muito tempo. Desses, 4 eram open air e 4 cobertos por tendas que eram palcos de artistas mais underground e criavam uma experiência mais imersiva. Nem parecia dia. As estruturas dos palcos me impressionaram bastante em comparação a outros festivais do gênero com tamanhos enormes. Tinha muito led e efeitos pirotécnicos. Cada um com uma característica ou cor diferente, mas todos seguindo o mesmo padrão estético do Festival Awakenings.

Além dos palcos, os totens de sinalização chamam atenção. Eles tinham ponto de foto na base e LEDs enormes na parte de cima anunciando em tempo real quais DJs estão em cada palco. Além do horário desses sets e também quem seriam as próximas atrações. Isso era muito incrível. Só senti falta de setas mostrando as direções de cada palco para ajudar na movimentação do público.

O calor foi de matar!

O sol no Festival  Awakenings 2019

Sobre o clima, estava realmente MUITO quente e o céu não tinha sequer uma nuvem. Na véspera da nossa ida, todos os jornais do Brasil e do mundo noticiavam a chegada da frente de calor mais perigosa dos últimos anos em território europeu. Nós não achavamos que ela chegaria no festival – já que nos últimos anos fez bastante frio e choveu muito.

No primeiro dia de evento a temperatura chegou a atingir os 32°C e fez a galera derreter! A sombra era mais disputada que o frontline! A produção pecou em não se preparar para isso com refrescos como esguichos, áreas de sombra ou outras soluções que pudessem melhorar a experiência.

Haviam algumas estações de água espalhadas pelo evento, o que era muito positivo! Mesmo a estrutura sendo bem basicona e self-service, cumpria muito bem seu papel! Sempre era possível avistar um refresh point próximo aos banheiros. Não demorava muito para que você conseguisse encher sua garrafa ou até usar a água para tentar escapar do calor.

Fichinhas de compras

As compras no festival, nos bares e lojas de merchandising eram feitas com tokens adquiridos nos caixas disponíveis na venue. Para mim foi estranho e até antiquado ao ser comparado com os festivais cashless como Coachella, Lollapalooza e até festivais menores como o Popload. Era um pouco confuso adquirir essas moedinhas e entender realmente quanto valia cada item comprado. Além disso, era muito fácil perder essas fichas, já que eram pequenas, similares às do Tomorrowland no Brasil.

O Bar

Diferente do que vemos no Brasil, a logística de bar era bem simples e limitada. O cardápio era definido afim de otimizar o trabalho da equipe. Você não conseguia, por exemplo, pedir uma dose de vodka e um energético de sua preferência. Você necessariamente era obrigado a pedir o drink do cardápio. Para os fãs de gin tônica, mais uma surpresa: ao pedir o drink, você recebia uma lata de Gordons que já vinha com a bebida misturada. Isso fazia com que a qualidade do drink caísse bastante.

Já para os cervejeiros, nada muito diferente do comum: chopp Heineken por um preço justo. Por fim, para os amantes de vinho, nunca vi uma solução tão incrível! Nos bares era possível pedir garrafas de vinhos variados que eram de plástico, evitando qualquer possível problema com vidros.

Os bares não tinham copos comemorativos do festival como vemos na maioria das festas e festivais brasileiros. Eram servidos somente copos de plástico comuns.

Ativações de marcas

Por trabalhar com patrocínio, cheguei no festival com os olhos sedentos por insights e ativações com experiências bacanas. Para a minha surpresa, não havia sequer um stand. Haviam algumas marcas presentes nos bares e áreas de alimentação em forma de serviço.

Além disso, um dos palcos era patrocinado pela Desperados com um logo em frente ao DJ e alguns infláveis de garrafas e outros elementos que eram jogados na galera em algumas músicas ao longo do dia, semelhante ao que fazem em festas da Elrow.

DJS Sets

Palco Festival Awakenings 2019

O lineup do festival tinha uma variedade enorme de estilos e muitos dos melhores artistas do gênero no mundo como Adam Beyer, Maceo Plex, Jeff Mils, Kolsch, Adriatique, Amelie Lens, Charlotte De Witte, Rodhad, Tale Of Us, Dixon e outros. Com tantos nomes respeitados, foi muito difícil fazer um timetable para seguir sem deixar diversos nomes interessantes de fora.

Os destaques do evento, para mim, foram Kolsch e Maceo Plex, DJs que eu já tinha visto e me surpreenderam mais uma vez! Eles entregaram sets bem diferentes dos que eu já tinha visto, com menos músicas conhecidas, diferente do que eles fizeram em suas últimas passagens pelo Brasil, e mais classe! Vale a pena conferir.