Review Electric Zoo Brasil - Soltaram Os Bichos Numa Noite De Chuva - Pulso

Review Electric Zoo Brasil – Soltaram Os Bichos Numa Noite De Chuva

Água! Muita água! Esse foi o elemento que marcou a primeira edição do Electric Zoo em terras tupiniquins. O festival que promove o encontro da fauna selvagem com o universo urbano, dessa vez sentiu a força da mãe natureza!

Foto Divulgação

E mesmo assim, cerca de 20 mil pessoas soltaram seu animal interior no Autódromo de Interlagos durante as 12 horas do festival.

Foto Divulgação

Quem esteve lá pode conferir um line up consistente, distribuídos em 3 palcos: Awakenings Stage, Tree House Stage e o King Cobra – Main Stage, cada qual com diferentes vertentes da música eletrônica.

Foto Divulgação

O Awakenings e o Tree House trouxeram um mix de novidades e underground eletrônico. Em ambientações diferentes, o primeiro com um palco que lembrava um galpão de fábrica e o segundo numa proposta clean, com árvores brancas que foram grafitadas durante o evento.

Foto Divulgação

Ambos concorridos pelo público, que além da música procuravam abrigo da chuva, já que eram palcos montados dentro de grandes tendas.

O King Cobra, a imponente naja cenográfica apresentou os headliners do festival. A céu aberto, mesmo enquanto a chuva caía torrencialmente a galera não desanimou.

Foto Divulgação

Nesse palco a grande surpresa da noite, sem sombra de dúvidas, foi o Dj KSHMR. O nova-iorquino de descendência indiana apresentou um set com muita pressão, de forma teatral e dramática, utilizando elementos de sua cultura, tudo emoldurado por projeções que narravam uma lenda de reis do deserto. Prendeu a atenção do público do início ao fim.

Foto Divulgação

Porém uma reclamação quase que unânime no Main Stage foi a qualidade do som. Muito baixo, por diversas vezes distorcido e a constante chuva que deixava tudo mais abafado ainda. Realmente o maior atrativo do King Cobra foi o visual, sua estrutura foi muito bem utilizada aliada a muita iluminação.

Foto Divulgação

Um palco de proporções relativamente pequenas mostrou sua grandiosidade. Quem ficou até o final do festival, exatamente às quatro da manhã, presenciou uma queima de fogos sensacional no encerramento da apresentação do Hardwell.

Foto Divulgação

Uma incoerência no layout da festa foi a localização dos estacionamentos. O ingresso mais caro do festival dava acesso a um estacionamento exclusivo, mas que estava praticamente junto do estacionamento geral.

E em ambos, para ir deles até a área dos palcos, as pessoas tinham que andar o dobro da distância percorrida por quem entrava pela portaria geral.

Quanto a acessibilidade, três pontos negativos precisam ser apontados: estacionamento extremamente longe da área dos palcos; uma bilheteria com catracas e sem acesso para cadeirantes e finalmente, apenas o Main Stage contava com área reservada para PCD (pessoas com deficiência).

Se o deficiente optasse pelo line up do Awakenings ou Tree House, tinha que ficar no meio da galera, o que nem sempre é possível.

A cenografia que é massiva na edição nova iorquina do festival, aqui no Brasil se apresentou incipiente, com poucos elementos.

Foto Divulgação

Os palcos eram muito atraentes visualmente, mas nas áreas de convivência faltou um algo a mais para o público realmente se sentir numa savana urbana, que é sua proposta maior.

Finalmente, difícil não fazer uma comparação com o Lollapalooza Brasil, que há um mês estava também no Autódromo de Interlagos. No Electric Zoo Brasil , além do público menor a área coberta pelo festival também foi bem menor, logo as distâncias entre os palcos eram pequenas e praticamente sem filas nos caixas e bares. Tudo foi muito mais ágil.

Foto Divulgação

Pra quem pulsa na batida eletrônica e não para até que a grama vire lama, o Electric Zoo cumpriu seu papel. Fazendo um balanço geral, prontamente entrou pra lista dos festivais que tem seu público cativo aqui no Brasil e a galera que foi nessa primeira edição com certeza já espera pela próxima.

Alguns ajustes estruturais precisam ser feitos e repensados, coisa comum a todo festival que acaba de chegar. Esperamos que em 2018 os animais venham mais ferozes ainda.

Pedro Americo Por Pedro Americo

Boêmio, cadeirante e apaixonado por música! Com uma alma clubber, o amor maior é pela batida eletrônica, mas passeio pelos universos pop, indie e rock também. Frequentador de shows e festivais, compartilho minhas experiências pelo meu ponto de vista: sentado!

Posts Relacionados