22 de dezembro de 2017/POR Karla Megda

A SIM SP ( Semana Internacional de Música de São Paulo ) comemorou seu aniversário de 5 anos em 2017, e foi nítido o crescimento e formato que o evento vem tomando a cada ano. Para quem é um profissional da música, interessado ou indiretamente está conectado a ela, não pense duas vezes antes de ir!

A programação vai desde painéis com profissionais do mercado da música a workshops, speedmeetings (que promove o networking entre as bandas e produtores de festivais), showcases (vários ícones da música se lançaram no SIM SP e atingiram festivais internacionais por este caminho) e festas. Este ano a novidade foi o pitch de startups da música e o Prêmio SIM (melhores iniciativas do ano da indústria musical).

Foto Divulgação

O evento aconteceu entre os dias 6 a 10 de dezembro de 2017 no Centro Cultural de São Paulo e ainda tomou conta de diversas casas noturnas da cidade com a programação incrível formado pelas festas e bandas autorais nacionais e internacionais.

Balaço de Fim de Ano da Indústria da Música

O SIM SP acontece sempre no mês de dezembro e nos remete também a confraternização de final de ano da indústria da música. Reencontrar todos os produtores e músicos que trabalharam duro durante o ano para discutir o que deu certo, o que vai mudar e como conseguimos nos ajudar ainda mais para o ano seguinte são temas que você escuta em qualquer roda que passa tomando um café na famosa PRO AREA.

Foto Divulgação

Este ano a quantidade de comissões internacionais (França, México, Chile, Canadá, Austrália) foi surpreendente. Frequento o festival desde a 3ª edição e foi tão bom ver a música de todos estes países circulando por aqui, bem como aprender com eles.

Parte da programação dos painéis era composta por profissionais de outros países, mesclando a realidade de fora com a do nosso país.

Circular a música é uma das principais propostas do evento, e é por este motivo que vemos um brilho nos olhos de todos apaixonados por música com fome de mais conteúdo e contato.

Tivemos um painel todo dedicado aos festivais do México, e que foi surpreendente ver como somos tão próximos de cultura e distante de conhecimento um do outro.

Conteúdos De Destaque

A noite de abertura aconteceu na CASA NATURA MUSICAL, que anunciou logo o patrocínio oficial do evento para 2018. No palco Jards Macalé e Ava Rocha fizeram a honra da abertura do evento com chave de ouro.

Foto Divulgação

Enquanto isso na pista os idealizadores dos festivais mais importantes da cena brasileira (Festival Do Sol, Coquetel Molotov, Festival Bananada, Coma, Radioca, Contato) curtiam a festa e celebravam o encerramento de um 2017 (para eles!). Se você é fã desta turma aí, fica a dica e se encantar ainda mais pelas figurinhas caricatas de SIM SP já 😉

Painéis com o tema de empreendedorismo foram os mais concorridos! Entre eles: Produtor Não É Canivete Suíço e Música Ilimitada. No primeiro discutia-se o profissionalismo das diversas funções de um produtor de eventos, o quão importante é a especialização e como o mercado precisa enxergar a profissão. Já na Música Ilimitada (foi um tema levado no Festival COMA- DF também, por estes mesmos convidados) reforçava a importância de um músico se engajar também nas rotinas de escritório, organização e planejamento de sua carreira.

Tomás Bertoni, guitarrista do SCALENE participou da mesa e exemplificou o salto de sua carreia agregando a sua produtora de eventos, que hoje também realiza festivais além da sua carreia como músico.

Não podemos deixar de falar (e de emocionar sempre!) com o fortalecimento do empoderamento feminino! A mesa Por elas e para Elas trouxe 6 festivais – dentre eles 1 argentino – idealizado por mulheres aonde temas sobre feminismo, realidade e inserção da mulher no mundo da música e plataforma de conexão entre as mulheres estão caminhando em cada região, alguns inclusive ganhando espaço na mídia televisiva, que foi o caso do Festival Mujeres Al Girego na Argentina. A organizadora do evento, Karol Zingalli, trouxe para a mesa a importância destes festivais realizados por ELAS não serem apenas para ELAS, mas sim disseminar estas discussões para todos, principalmente para ELES.

Grandes festivais que faziam parte da programação: Rock In Rio, Festival Bananada, Popload e Psicodália – trouxeram seus aprendizados em diferentes temáticas para o evento, o que agregou ainda mais para toda grade de palestras. Sempre importante ter um comparativo entre pequenos, médios e grandes eventos.

Foto Divulgação

Rock in Rio abordou conteúdo sobre curadoria artística e a importância destas bandas se conectarem com a proposta de um festival internacional, ao mesmo tempo dar voz ao time para propor. No painel do Popload Festival e Psicodália, o tema proposto foi como estes festivais trilharam seu próprio caminho, criando soluções (dentro da proposta de cada um) para sustentar suas ações e necessidades do público. Era um painel de muita expectativa para o público, mas acho que fica como dica talvez distribuir melhor o tempo entre os participantes da mesa. Ambos são de extrema importância no cenário da música e percebeu-se pela voz do público no final uma vontade de ouvir mais sobre Psicodália.

Para quem sempre quis de fato entender bastidores, como uma marca cresce no mercado de eventos, quais problemas já passaram e como tentaram contornar, emocionou com o painel realizado por Fabrício Nobre e Daianne Dias. O Festival Bananada que completa 20 anos em 2018, contou todos os DETALHES de sua trajetória, além de soltar em primeira mão o tão esperado banner do festival bem como 20 nomes do lineup para o evento de 2018. Que carinho tenho por estas ações de surpreender a plateia 😃

Foto Divulgação

Poderia escrever um textão ainda maior até conseguir relatar tudo que aconteceu no SIM SP 2017, programação intensa. A percepção de cada um pode mudar dentro objetivo no evento. O meu sempre é entender a tendência dos eventos, da música e voltar com a cabeça borbulhando com as novas conexões. Geralmente estas discussões acontecem na programação noturna, seja na Casa do Mancha tomando uma Tragédia na Noite Mineira ou curtindo o show da Liniker e Johhny Hooker na The Week comandada pela Sexta Básica.

Parabéns para toda organização do evento, em especial para Fabbie (Fabiana Batistela), que tem batalhado por circular nossa música e criar redes por esse mundo afora.

Ansiosos para 2018?

Nos vemos na SIM 🙂