Coala Festival, Brasil - Pulso

Coala Festival, Brasil

O Que

Onde

Brasil

Quando

agosto

Porque

Pelos mesmos palcos por onde já passaram nomes como Tom Zé, Criolo, BaianaSystem, Karol Conká, Cícero e Marcelo Camelo, o Coala Festival se prepara para mais uma edição intergaláctica, abrindo espaço para uma mistura de sons e estilos que enaltecem a música brasileira, tornando São Paulo, a cidade que abre as portas para receber as centenas de Coaláticos, como são chamados os frequentadores do evento,  num grande palco de celebração à cultura brasileira.

Foto Divulgação

A grande festa começa com todo brilho de Liniker e os Caramelows, após turnê intensa e muito bem aplaudida por várias cidades da europa.

Além da cantora, sobem ao palco desta edição os artistas já consagrados que representam a nova música brasileira (ou Nova MPB, para os íntimos): Emicida, acompanhando do parceiro Rael e o irmão Fióti, a mineira Tulipa Ruiz, a cantora e compositora Aíla, o rapper e poeta Rincon Sapiência e uma das maiores vozes da nossa cultura, Caetano Veloso, que fecha o festival com chave de ouro.

Foto Divulgação

“Caetano só faz a vitrine ser maior para os outros que vão tocar, a gente já vem namorando essa ideia há um tempo, mas só conseguimos agora, é uma conquista gigante pra gente”, diz Gabriel Andrade, um dos curadores ao lado de Marcus Preto.

Nem nos intervalos a diversidade ficará de lado. Entre um show e outro, pra galera recuperar o pique, assumem o som: Dj EB, Dj Tahira, Uaná System, Forró RED Light e Shaka.

Nascido como uma vitrine para os novos talentos da música brasileira, o evento chega ao quarto ano trazendo Caetano Veloso como sua principal atração ao Memorial da América Latina, local onde será realizado.

Foto Divulgação

Para chegar não é nada difícil. Todos os ônibus com destino a estação Barra Funda deixam próximo da entrada, que será pelo Portão 1, na Rua Wilfrides Alves de Lima. A recomendação é usar o Metro.

O público do festival é composto, em sua grande maioria, por jovens de 18 a 34 anos. Com o headliner desta edição, a organização espera expandir este alcance, conquistando especialmente o público mais velho.

“Se o festival entregar uma experiência boa, pode ser que no próximo ano, mesmo sem uma atração como Caetano, essas pessoas venham conhecer outros artistas”, diz Andrade.

Aliás, pra quem estava na dúvida se será ou não barrado, desta vez a organização conseguiu liberar a censura para 16 anos. Menores de 16 anos entram apenas acompanhados do responsável.

Não, não temos lista amiga! Mas os Coaláticos podem aproveitar o benefício de meia entrada do ingresso em troca de um livro ou um quilo de alimento.

Para além do saudosismo fomento da cultura nacional, o festival ainda contribui para o desenvolvimento social e ambiental.

Graças a parceria com o ICDH (Instituto de Compromisso com o Desenvolvimento Humano), o festival propõe a troca de um livro ou um quilo de alimento não perecível pelo benefício do ingresso com meia entrada.

A iniciativa arrecadou mais de 1,5 mil livros e duas toneladas de alimentos em suas primeiras edições.

Além disso, a parceria ainda trará ações divididas em 3 frentes de trabalho: conscientização sobre o Consumo Inteligente de álcool, gestão de resíduos e doação de alimentos.

A ideia é que todos possam se sentir livres, sem medo de ser feliz. Portanto, a parceria com a Polícia Militar e Seguranças privados garantem a segurança dos cerca das 12 mil pessoas esperadas.

Mais de 100 banheiros químicos serão instalados no local, com alguns exclusivos para pessoas com necessidades especiais.

Além da música, outras várias experiências podem ser vivenciadas durante o evento, como: artes plásticas, flash tattoo, espaço gastronômico, artes visuais e muito mais surpresas.

Foto Divulgação

Quem for poderá aproveitar as atividades do Espaço Skol (que promete distribuir copão lindão – fica a dica!), deliciar-se com as delícias do Mr. Poke, primeira marca brasileira de Poke, e da hamburgueria Bullguer.

Foto Divulgação

Tem também o Espaço Jameson Backyard, com fliperamas, roleta e, claro(!!!), diversos drinks suaves e refrescantes preparados com whiskey Jameson.

Uma novidade! Coala não é só música. É música, experiências e moda! E agora você pode vestir o estilo do festival.

A Coleção Coala Festival 2017, desenvolvida pela Bolovo, “marca de espírito livre comprometida em fugir do tédio para experimentar ideias originais”, famosa por espalhar por aí a meia “Deus Salve o Rolê”, possui peças como windbreaker, boné e meia.

Bom, assim, não será difícil cumprir a missão à frente do festival: estar à frente de grandes projetos e discussões sobre a cultura popular brasileira.

Por hora, sigo aquecendo a energia e aproveitando as playlists dedicadas ao festival.

Na dúvida, nos esbarramos por lá! \o/

Pedro Cruz Por Pedro Cruz

Seguindo o flow da cultura brasileira, a música sempre será alimento pra alma. Os festivais são nosso ponto de encontro. E o baile segue!

Posts Relacionados