A Evolução da Dance Music no Coachella - Pulso

A Evolução da Dance Music no Coachella

 

O Coachella 2017 provou nessa edição que a música eletrônica é o segmento musical do momento nos grandes festivais. Com a crescente popularidade da e-music no mundo, podemos ver no festival grande parte da programação dedicada à eletrônica, com grandes nomes anunciados em diversos sub-gêneros.

De Bonobo a DJ Snake. De Sasha ao querido projeto americano Sofi Tukker, o evento apresentou grandes atrações.

O produtor e DJ Louis Celestin, mais conhecido como Kaytranada, deu uma verdadeira aula em seu set, misturando clássicos e novidades da música negra americana com muito nudisco e house, em versões exclusivas e muito groove.

Steve Angello fez uma apresentação totalmente diferente das últimas, tocando músicas bem instrospectivas e instrumentais em BPMs baixos durante quase todo o set, criando momentos às vezes tristes e emblemáticos na pista e com muita influência do french house e do techno.

O jovem Martin Garrix tocou hits como “In The Name Of Love” e “Scared To Be Lonely”.

Mas de todos os shows que acompanhei pelo live streaming, o duo do Justice fez na minha opinião a melhor apresentação, tocando muitas faixas inéditas do seu último álbum “Woman” e emocionando os fãs ao encerrar o show com a clássica “We Are Your Friends”.


Justice

Lembrando um pouco dos 10 últimos anos do Coachella, quem não lembra da famosa pirâmide de leds do Daft Punk que estreou a turnê “Alive” da dupla de robôs em todo o mundo em 2006? Esse foi um dos momentos únicos na história do festival que certamente elevou a música eletrônica ao longo dos anos lá na cidade de Indio, na California.

A idéia de escalar a banda londrina Depeche Mode, além do Daft Punk, ficou marcada também como alguns dos melhores live acts eletrônicos, em meio às grandes atrações de rock, indie e R&B que sempre predominaram o line-up do festival. Coachella é cool, moderno e vanguardista. E assim seguiu esses conceitos com as atrações de música eletrônica apresentadas lá.

Só ano passado, 64% da programação do festival foi dedicada à eletrônica. Esse ano, que teve EDM, house, downtempo, techno e trap, também teve um grande percentual do segmento, competindo com outros gêneros.

Leia aqui também o artigo do Thump explicando porque o Coachella não precisa do EDM para prosperar.

Top 8 Dance Music Moments No Coachella


Daft Punk e sua turnê Alive (2006)

Dizem que o Daft Punk investiu todo o seu cachê para criar e projetar aquela pirâmide de leds revolucionária.

A partir dali, a dupla nunca mais foi a mesma e se tornou um dos artistas mais queridos do mundo, se consagrando no mercado fonográfico e no ao vivo, apresentando um show espetacular de luzes e efeitos visuais nunca visto antes. Isso se tornou um marco para a indústria da música, dos shows e festivais.

The Chemical Brothers e seu grande show (2011)

Em 2011, a dupla formada por Tom Rowlands e Ed Simons fez um dos shows mais marcantes do Coachella, que também entrou para a história da indústria do show business.

Tocando novidades da época do álbum “Further”, além de outros hits e clássicos lançados antes, o desempenho deles foi muito aclamado principalmente por lembrar um pouco o show do Daft Punk em 2006.

Com efeitos visuais incríveis e impressionantes, esse show passou a ser desejado em todo o mundo. O DVD “Don’t Think”, nome da turnê do duo, foi lançado no ano seguinte com esse show na íntegra (só que gravado em outro local).

Skrillex e seu reinado (2011)

O Coachella sempre trouxe artistas de diferentes segmentos para compor seu line-up. Com o gênero dubstep crescendo, Skrillex chegava no seu auge em 2011 com o lançamento do seu EP “Scary Monsters and Nice Sprites”.

Ele rapidamente ficou conhecido após a matéria publicada pelo Wall Street Journal sobre sua apresentação histórica no festival, época que tinha apenas 23 anos e já ganhava a capa de grandes revistas internacionais de música como Billboard, Rolling Stone, Mixmag e DJ Mag. Seu set com sons barulhentos, sujos e enérgicos misturados a clássicos do rock fez história no palco Sahara.

Calvin Harris e Rihanna (2012 e 2016)

O DJ mais bem pago do mundo não foi o headliner na edição de 2012, mas só em 2016 teve o merecido destaque.

E seu show marcou pois em 2012, ele tinha lançado grandes hits como “Feel So Close”, “Sweet Nothing”, “Let’s Go” e “We’ll Be Coming Back”, se tornando um artista cada vez mais relevante na música pop (e não apenas na dance music), com entradas em charts e países onde a dance music não era tão predominante.

Mas a grande surpresa foi a aparição de Rihanna no palco nos dois anos, que fez uma performance ao vivo cantando “We Found Love”, produzida por ele, entre outras músicas.

Dixon e uma grande pista de dança (2014)

2014 foi um ano incrível para a música eletrônica no Coachella. Com grandes nomes do underground como Maceo Plex, Hot Since 82 e Art Department, quem se destacou foi o DJ alemão Dixon, que encerrou o palco eletrônico e foi ovacionado por quem estava lá.


Galantis e sua estréia (2014)

A dupla Christian Karlsson e Linus Eklow (que assinam projetos como Miike Snow e Style Of Eye) estrearam seu projeto Galantis no festival com um live act eletrizante – apelidado de Seafoxchella – com bateria eletrônica, controladoras e teclados, que misturou EDM, house e electro, levando a multidão ao delírio e fazendo o duo crescer rapidamente no mercado.

Naquele ano, tinham acabado de lançar tracks como “You”, “Smile” e “Runaway”, seu principal hit até hoje.


Kaskade no Mainstage (2015)

O DJ Kaskade teve o privilégio de ser o único artista de música eletrônica ao tocar no palco principal do Coachella em 2015. Com um set quase todo autoral, não faltaram hits como “Angel On My Shoulder”, “Move For Me”, “Dinasty” e “Sorry”, além de clássicos de Madonna e Benny Benassi, que enalteceram mais ainda a carreira do DJ na América e consequentemente colocaram a música eletrônica no spotlight dos grandes festivais alternativos.


Odesza era uma das grandes novidades (2015)

Queridinhos do público jovem, dos millenials e da galera antenada às novidades musicais, o duo eletrônico de Seattle Odesza era até então um nome desconhecido no mercado.

Mas eles fizeram um show memorável ao apresentar suas faixas de electropop e future bass como “Sun Models” e “Say My Name” e ao convidar Shy Girls, Young Summer e 425 Horns no palco.

Se apresentar em festivais é muito importante pois o Coachella deu a visibilidade para o projeto crescer para o mundo depois dessa apresentação.

Posts Relacionados