Dirtybird Campout Proíbe Uso de Adereços Indígenas - Pulso

Dirtybird Campout Proíbe Uso de Adereços Indígenas

Enquanto guarda-chuvas foram proibidos nos shows da Rihanna e o pau de selfie é demonizado em praticamente todos os festivais do mundo, no Dirtybird Campout (festival da galera do selo Dirtybird, cujo dono é Claude Von Stroke) a treta foi outra: os adereços indígenas.

É modinha nos festivais americanos (da Costa Oeste principalmente) usar os adereços indígenas como parte do visual, não há grupinho de patricetes em que pelo menos uma delas não esteja usando.

headdress

Usando o argumento de ‘apropriação cultural’ indevida, os organizadores do Campout soltaram um comunicado pedindo ao público que não usasse o artefato, em respeito ao significado real do símbolo, e que usá-lo ‘seria dar continuidade à visão de branco opressor’, enquanto as populações nativas ainda existentes penam para conseguir seu reconhecimento e direitos mais básicos.

Na foto abaixo tem a íntegra do comunicado e as razões do pedido, tudo explicadinho. A julgar pelas fotos do evento, que rolou no fim de semana passado, a galera entendeu e deixou o cocar em casa.

dirtybird-campout640