Como funcionam os editais para festivais de música

Como funcionam os editais para festivais de música

Quase todo mundo que ama festivais já pensou como seria o seu festival dos sonhos. Algumas pessoas, no entanto, se inspiram por esse pensamento e resolvem, de fato, criar o seu próprio festival.

O caminho não é fácil. Engana-se quem imagina que para montar um festival basta pensar em um lineup bacana e possuir uma verba para bancar tudo. Há muitas burocracias envolvidas como alvarás para a realização do evento, a administração de todas as etapas de produção, contratação de mão de obra, etc, etc.

Para quem pensa em se aventurar na produção de um festival, uma boa alternativa é contar com editais de cultura voltados para festivais de música. Mas mesmo com essa ajuda, as dúvidas  e procedimentos envolvidos não são menores.

O que você precisa saber sobre editais para festivais de música

O Pulso separou algumas questões que são comuns a quem pensa em tentar a inscrição em editais culturais. Vale ressaltar que cada edital tem suas próprias particularidades, e que nem sempre todos os itens válidos para um também valem para os outros.

Assim, selecionamos algumas dúvidas gerais, e lembramos que o ideal é sempre ler com muita atenção todas as linhas (sim, todas) do edital escolhido.

1. Editais são lançados apenas por órgãos públicos?

Não. Os editais de patrocínio podem ser lançados tanto pelo poder público quanto por empresas privadas, como é o caso da Natura e seu Natural Musical, que seleciona entre diversas categorias culturais a de festivais.

Festival Contato, em São Carlos, apoiado pelo edital Natura Musical – Foto: Divulgação

2. Há poucos editais de cultura no Brasil?

Se pensarmos na quantidade de projetos e em como a nossa cultura é rica, o Brasil tem mesmo poucos editais. Mas também é verdade que grande parte dos editais acaba não sendo do conhecimento do público, muitas vezes por falta de divulgação. Assim, embora ainda abaixo do ideal, o número de editais de cultura no país não é exatamente pequeno e pode ser bem aproveitado.

3. Quem pode recorrer aos editais?

De forma geral, todo mundo pode se inscrever e concorrer aos editais de cultura. Eles não são exclusivos para produtores ou artistas independentes, muito menos para pessoas que apresentam experiência prévia no ramo. Segundo uma pesquisa feita pela Universidade de São Paulo (USP), por exemplo, 53% dos artistas nacionais que já se apresentaram no exterior, em sua maioria na Europa e nos Estados Unidos, o fizeram após ter sido contemplados em editais.

Porém, como citamos anteriormente, cada edital tem sua particularidade. Há editais que colocam exclusividade para produtores e artistas alternativos, outros são totalmente abertos a todos.

4. Editais são muito burocráticos?

Depende do edital. Alguns são bem burocráticos, exigindo diversos documentos e comprovantes. Outros, porém, são mais brandos e pedem, basicamente, a inscrição mediante a comprovação de alguns quesitos. Mas, de modo geral, a documentação para se inscrever em editais culturais é extensa. Os mais burocráticos, tanto em papelada quanto em etapas de avaliação, são os de caráter público, como de secretarias de cultura, Ministério da Cultura, entre outros.

5. Pessoas Físicas podem se inscrever em editais ou é preciso CNPJ?

A maioria dos editais lança projetos tanto para Pessoas Físicas quanto para Pessoas Jurídicas. Ainda assim, como os festivais são eventos maiores, geralmente é pedido a inscrição de Pessoas Jurídicas, ou seja, com CNPJ.

Coala Festival, em São Paulo, também apoiado pelo Natura Musical – Foto: Divulgação

6. Há um limite de editais nos quais se inscrever?

Não, não há um número limite para inscrições em editais de cultura. Na verdade, o ideal é mesmo se inscrever em todos possíveis.

7. É fácil conseguir ser aprovado num edital de cultura?

Muitas pessoas acham que é extremamente difícil ser aprovado na seleção de um edital de cultura, mas na verdade tudo depende muito do edital, da concorrência e do projeto apresentado. Quem tentou diversas vezes e conseguiu ser aprovado algum tempo depois sempre conta que, durante o período de tentativa, é comum acabar fazendo mudanças no projeto, adaptando aqui e ali, até que finalmente ele fica redondinho.

A concorrência também é detalhe importante, afinal, editais mais tradicionais e conhecidos terão um maior número de inscrições, enquanto alguns editais regionais, muitas vezes, nem vão pra frente devido à falta de inscrições. O segredo é, mais uma vez, procurar bem e saber onde tentar.

8. Como ficar sabendo quando os editais saem?

Infelizmente, não existe uma fonte que reúna todos os editais, então o jeito é realmente ficar de olho e sair caçando notícias. Mas, como nem tudo é devidamente divulgado, o ideal é acessar periodicamente os sites dos órgãos e empresas que você esta esperando os editais.

Dica: fique sempre de olho nos sites das secretarias de cultura de cada cidade, secretarias estaduais, na página do Ministério da Cultura, e em sites de empresas que tradicionalmente lançam editais todos os anos, como Caixa, Itaú, Oi, entre outros. Sites como o Editais e Afins também ajudam a manter o calendário de editais abertos atualizado.

Soraia Alves Por Soraia Alves

Jornalista formada pela UNESP-Bauru. Trabalha com web jornalismo e cultura pop.

Posts Relacionados